14/04/2019

Iraque descobre vala com centenas de curdos mortos por Saddam Hussein

Foto: Reuters


Na foto acima,um membro iraquiano da Defesa Civil mostra um crânio humano de uma vala comum desenterrada de curdos a oeste da cidade de Samawa, no Iraque.

O Iraque nunca deve esquecer os crimes de Saddam Hussein ou permitir que seu partido retorne, disse o presidente Barham Salih no domingo, depois de participar da descoberta de uma vala comum de curdos mortos pelas forças do ex-líder há três décadas.

O túmulo, encontrado no deserto a cerca de 170 quilômetros a oeste da cidade de Samawa, contém restos de dezenas de curdos feitos para "desaparecer" pelas forças de Saddam, informou o gabinete de Salih.

Eles estavam entre os cerca de 180 mil pessoas que podem ter sido mortas durante a campanha Anfal de Saddam, que atacou curdos iraquianos no final dos anos 80, quando gás químico foi usado, aldeias foram destruídas e milhares de curdos foram forçados a acampar.

"Ele os matou porque eles não aceitaram a continuação deste regime, porque eles queriam viver uma vida livre e digna", disse Salih, um curdo, em entrevista coletiva no local do túmulo.

"Ele os levou a Samawa para enterrá-los, mas nosso povo em Samawa os abraçou", acrescentou Salih. As províncias do sul do Iraque são predominantemente habitadas por árabes xiitas, que também sofreram opressão e assassinatos em massa sob Saddam, um árabe sunita.

"O novo Iraque nunca deve esquecer esses crimes que foram cometidos contra o povo iraquiano de todos os grupos", disse ele.