12/08/2019

Moro foi contra apreensão de celulares de Cunha

Qual o interesse de Moro em proteger Eduardo Cunha?

 Sergio Moro,convenceu procuradores da Operação Lava Jato a não pedirem a apreensão dos celulares do ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (MDB-RJ), um dia antes de sua prisão. É o que indicam os novos vazamentos de diálogos entre o então juiz federal e procuradores da força-tarefa.

Na véspera da prisão do emedebista, no dia 18 de outubro 2016, o procurador Deltan Dallagnol consultou Moro sobre a apreensão dos aparelhos parlamentar. A conversa foi divulgada nesta segunda-feira, 12, pelo site Buzz Feed News, em parceria com o The Intercept Brasil.

Na véspera da prisão de Cunha, o diálogo entre Deltan e Moro teria sido:

11:45:25 Deltan: Um assunto mais urgente é sobre a prisão
11:45:45 Deltan: Falaremos disso amanhã tarde
11:46:44 Deltan: Mas amanhã não é a prisão?
11:46:51 Deltan: Creio que PF está programando
11:46:59 Deltan: Queríamos falar sobre apreensão dos celulares
11:47:03 [Moro]: Parece que sim.
11:47:07 Deltan: Consideramos importante
11:47:13 Deltan: Teríamos que pedir hoje
11:47:15 [Moro:] Acho que não é uma boa

11:47:27 Deltan: Mas gostaríamos de explicar razões
11:47:56 Deltan: Há alguns outros assuntos, mas este é o mais urgente
11:48:02 [Moro]: bem eu fico aqui até 1230, depois volto às 1400.
11:48:49 Deltan: Ok. Tentarei ir antes de 12.30, mas confirmo em seguida de consigo sair até 12h para chegar até 12.15
12:05:02 Deltan: Indo
Mais tarde, por volta das 14h15, o procurador da força-tarefa informa Moro de que a decisão de não apreender os aparelhos foi tomada:

14:16:39 Deltan: Cnversamos [Conversamos] aqui e entendemos que não é caso de pedir os celulares, pelos riscos, com base em suas ponderações
14:21:29 [Moro]: Ok tb

Nenhum comentário:

Postar um comentário