29/08/2019

POLÍCIA DIZ QUE FAZENDEIROS FIZERAM QUEIMADAS E NÃO AS ONGS,COMO DISSE BOLSONARO

A Polícia Civil deflagrou nesta quinta-feira (29) uma operação que cumpre mandados de prisão no Pará, emitidos por conta de desmatamentos e queimadas que vem assolando a região. A Operação Labaredas, realizada na região de São Félix do Xingu, no sul do estado, mira pelo menos três responsáveis pelos crimes.

“As ordens judiciais de busca e apreensão foram cumpridas nas casas dos investigados em Goiânia, estado de Goiás, e em Redenção, no Pará, e também na sede da fazenda em São Félix do Xingu, durante a manhã de hoje [29]. Os três procurados não foram localizados e estão foragidos”, informou a Polícia Civil, em comunicado emitido pela manhã. Contudo, no começo da tarde, José Brasil de Oliveira  foi encontrado e preso em Goiânia.

A operação busca prender e responsabilizar criminalmente Geraldo Daniel de Oliveira. Ele é suspeito de contratar mais de 50 homens para derrubar 20 mil quilômetros quadrados de mata na área de Proteção Ambiental Trunfo do Xingu conhecida como fazenda Ouro Verde em São Félix do Xingu.

Além de Geraldo Daniel de Oliveira, genro do dono da fazenda, apontado como mandante, foram decretadas prisões de José Brasil de Oliveira e João Batista Rodrigues Jaime, também responsabilizados por derrubadas de mata e incêndios criminosos.


Os suspeitos responderão por danos em área de proteção ambiental, poluição ambiental, queimadas e associação criminosa. A operação ainda prendeu Paulo Henrique Santos Marques, em flagrante, por estar com um revólver calibre 38 sem porte legal

Segundo o delegado José Humberto de Melo, diretor de Polícia do Interior da Polícia Civil, o grupo já derrubou e tocou fogo em mais de 5 mil quilômetros de mata.

O trio é formado por dois irmãos donos da fazenda Ouro Verde, em São Félix do Xingu, e mais o gerente da propriedade. A fazenda fica localizada dentro da Área de Proteção Ambiental Triunfo do Xingu.

Geraldo Daniel de Oliveira é suspeito de ter contratado mais de 50 homens para derrubar 20 mil hectares na área de Proteção Ambiental Trunfo do Xingu, conhecida como fazenda Ouro Verde, em São Félix do Xingu.

 Ao todo, explica o diretor de Polícia do Interior da Polícia Civil, delegado José Humberto Melo, "as investigações mostram que o grupo já derrubou e tocou fogo em mais de 5 mil hectares de área desmatada"

O que as ONGs realmente fazem na Amazônia

A vontade explícita de derrubar florestas fica cada vez mais evidente na política ambiental do Brasil. Ainda durante a campanha, Jair Bolsonaro afirmou: “O Brasil não suporta ter mais de 50% do seu território demarcado como terras indígenas, juntamente com a proteção ambiental, com parques nacionais e essas reservas todas. Atrapalha o desenvolvimento”. Além de mentir sobre o número de demarcação — são 12,2%, segundo a Funai —, a fala revive a ideia de que desmatamento é sinônimo de progresso.

5 comentários:

  1. Como esse povo ganância. Hipócrita

    ResponderExcluir
  2. BozoMente!
    Macron disse que o Bozo mentiu porque ele prometeu cumprir o acordo sobre meio ambiente e não cumpriu!

    ResponderExcluir
  3. Chupa que a cana é doce meu filho. Criminosos de verdade alinham ao pensamento devasto do presidente de uma república governado por um clã bem conhecido do povo brasileiro. Clã de melicianos chamado Bolsonaro. Por um Brasil feliz de novo, #ForaBolsonaro.

    ResponderExcluir
  4. Bolsonaro mandou prender qualquer um , e mesmo assim vocês acham ruim, por prender o fazendeiro . kkkk

    ResponderExcluir
  5. Cada homem contratado teria que limpar uma área de 20 km x 20 km = 400 km². Levaria anos para concluirem.

    ResponderExcluir